CONSTRUTIVISMO NA ALDEIA


O que é ......
"ser curioso, perguntar e descobrir caminhos, levantar hipóteses, não ter medo de errar, ser criativo. Nestas ferramentas se apoiam o nosso trabalho" !!

saiba mais ...

A teoria do desenvolvimento da criança de Jean Piaget é considerada Construtivista, uma vez que defende que o conhecimento não é transmitido, e sim construído na relação entre sujeito e objeto. Emília Ferreiro fundamentou-se nos pressupostos de Piaget e elaborou a "Psicogênese da Língua Escrita", partindo do princípio que a escrita é um sistema de representação da língua, sua aprendizagem significa a apropriação de um novo objeto do conhecimento e não simplesmente a aquisição de uma técnica.

 

De acordo com FERREIRO (1995:10): "A escrita pode ser considerada como uma representação da linguagem ou como um código de transcrição gráfica das unidades sonoras".

O Construtivismo é, pois, uma visão de mundo, uma Epistemologia, uma teoria do conhecimento - é um modo de se conceber o ser humano, portanto, deve ser visto como um compromisso, uma conquista. Essa filosofia visa um acompanhamento da criança propondo-lhe situações desafiadoras mediante o contato com materiais ou conteúdos provocantes. O sujeito precisa investir no objeto proposto, configurá-lo e aprendê-lo como um desafio. Nesta resolução de problema, acontece a exploração do ambiente e a interação com o meio social.

FASE ICÔNICA: É a etapa da garatuja onde a criança apresenta movimentos celulares (circulares), o que indica uma transição a caminho da fase Pré-silábica (Estágio 1º), mas ainda não diferencia o desenho da escrita.

PRÉ-SILÁBICO

1º estágio: No primeiro estágio, a criança já diferencia desenho de escrita, e, portanto representará a escrita de acordo com a maneira que visualiza. Quando está habituada com a letra cursiva, fará grafismo ondulado. Já, para representar a letra imprensa usará linhas retas e curvas e não utilizará sinais gráficos. Nas crianças deste estágio, verificamos o realismo nominal, pois "coisas grandes, se escreve com muitas letras", e vice-versa. Na leitura do que escrevem não separam as letras. A leitura é global, ou seja, quando se pede para a criança ler o que escreveu acompanhando com o dedo, ela não separa ainda as sílabas e palavras, fazendo uma leitura horizontal.

2º estágio: No segundo estágio, a criança começa a compreender que coisas diferentes possuem nomes diferentes. Quando vai escrever uma palavra, modifica a ordem das letras: (diferenciação qualitativa inter-relacional). Para a criança, uma palavra não pode ser lida ou interpretada se possuir as mesmas letras. Outra relação que as crianças fazem é que uma palavra para ser lida precisa de, no mínimo, três letras (Hipótese quantitativa).

SILÁBICO

Neste estágio, a criança percebe que a escrita é a representação da fala, e para tanto, verifica-se a fonetização da escrita, ou seja, a descoberta dos sons na fala. Essa fase é considerada a mais importante da alfabetização, de acordo com PINTO (s.d.:39): É o momento em que a criança faz a correspondência da escrita com a fala. A hipótese das crianças é de que uma letra representa uma sílaba, podendo apresentar um valor sonoro. Essa hipótese é muito importante, já que auxilia o professor a trabalhar dois aspectos, a quantidade e a variação sonora. Exemplo da hipótese:
AIO - gatinho
IOA - pipoca

Com relação às sílabas, a criança só as identifica oralmente. Somente no 4º estágio, a criança visualizará na palavra escrita a existência das sílabas.

SILÁBICA-ALFABÉTICA

Este estágio marca a transição das hipóteses silábicas, para os esquemas futuros. Para a criança a sílaba não é uma unidade. Quando percebe uma letra não pode representar uma sílaba, acrescenta mais letras à escrita anterior. As sílabas completas que consegue escrever se localizam geralmente no começo ou no fim da palavra.

ALFABÉTICA

Quando a criança chega neste estágio, podemos dizer que ela já compreende o sistema de representação da linguagem escrita, percebendo que uma palavra é composta de letras que formam sílabas. Já analisa os fonemas das palavras. Percebe a nossa escrita como alfabética.